Construir um Movimento e Mover Montanhas

Em Novembro de 2018, na 6a Assembleia Mundial da Campanha Global pela Educação (GCE) , em Katmandu, foi convocada a primeira reunião (cáucus) da juventude com jovens delegados de todo o mundo.  Em apenas dois dias, visões e sonhos foram partilhados, estratégias desenvolvidas e amizades forjadas. A partir desse momento, ficou claro que quando os jovens se reúnem, eles movem montanhas.

Este ano, do dia 27 a 30 de Abril, a Juventude reuniu-se mais uma vez. Desta vez foi para desenvolver uma estratégia para o seu envolvimento no seio da GCE.  O aspecto mais destacante foi que a juventude visou obter uma melhor compreensão das nossas diferenças enquanto pessoas, jovens defensores e enquanto representantes das nossas nações.

 

Durante esses quatro dias, o mundo inteiro ficou sujeito a escrutínio. Colocaram-se várias perguntas: Como pode ser entendido o envolvimento da juventude? Pode ser mensurado e, se sim, como? Quais são os principais desafios enfrentados pelos jovens defensores da igualdade de acesso à educação de qualidade? Qual é o papel da juventude na Campanha Global pela Educação? Como podemos aprender uns com os outros? Como podemos trabalhar juntos? E como é que a história Sul Africana da luta contra o apartheid pode inspirar a nossa vida quotidiana e o trabalho que fazemos?

 

Muitas mais perguntas e discussões foram levantadas e respostas concretas e soluções foram encontradas. No fim da reunião a juventude mostrou que estamos mais do que prontos e dispostos a enfrentar os desafios da juventude.  Quando os jovens estão unidos, o tempo é a única restrição externa.

Unidos nas nossas diferenças

Ao longo dos anos, a desigualdade e a discriminação têm vindo a aumentar, tentando dividir as pessoas. Estas tendências assustadoras desafiam as nossas democracias, criam a diabolização do outro, e sugerem que somos demasiado diferentes para conseguirmos coexistir. Durante estes poucos dias, tornou-se evidente que todas estas ideologias estão erradas, e que na verdade, estamos unidos nas nossas diferenças, e a nossa diversidade só nos torna mais fortes. Juntos podemos aprender, construir e crescer.

 

Com base no respeito mútuo das nossas perspectivas, contextos e origens diferentes, fica evidente que nós, como pessoas, somos muito mais semelhantes do que diferentes, ao contrário do que foi anteriormente sugerido.  Que, apesar de sermos diferentes, os nossos corações batem para as mesmas mudanças. Que vivemos para a justiça e estamos dispostos a lutar para melhorar as nossas sociedades. A juventude deseja contribuir e aprender ao longo do processo. A juventude é uma voz poderosa, e não deve ser incluída simplesmente por ser a nova palavra da moda. A Juventude detêm o poder, os recursos e os conhecimentos necessários para criar a mudança que o mundo está a pedir.

 

A Juventude no cerne de um melhor amanhã

Há quem diga que os jovens são jovens demais para entender o que é preciso para ser um participante activo numa sociedade civil e membro activo da sociedade. Pelo contrário, a qualidade das contribuições, discussões e resultados demonstram que os jovens compreendem as nuances, fazem perguntas necessárias e oferecem possíveis soluções.

 

A juventude vai viver e liderar o futuro e, portanto, são co-criadores das sociedades de hoje e de amanhã. Os jovens são parceiros capazes, a nível de igualdade em qualquer processo de tomada de decisão. Estes quatro dias foram apenas o início de mais que está para vir.  Unidos vamos lutar para um amanhã melhor, onde a inclusão é um truísmo e onde a educação de qualidade é inclusiva e acessível a todos.

 

A juventude já está a fazer um trabalho incrível em todo o mundo. Se estiverem unidos, os  jovens serão ainda mais fortes para cumprirem as responsabilidades que as gerações anteriores não cumpriram. A Juventude define novos padrões e sugere novos caminhos.

 

Lançamos um desafio

Agora, vamos desafiar os “adultos”. Será que eles vão apoiar e habilitar o activismo juvenil ou vão tentar bloquear e usar-nos como tokens? Esta não é uma tarefa fácil e deverá ser alocado financiamento para garantir que os jovens são incluídos de forma significativa. Vamos ser parceiros em pé de igualdade em todos os aspectos e as vozes da juventude vão ser representadas a nível nacional, regional e global.

A Campanha Global pela Educação deu o primeiro passo importante para garantir o envolvimento autêntico e significativo dos jovens, a todos os níveis do movimento. Nesta reunião estratégica, a juventude tomou o segundo passo. Juntos, e enquanto movimento global para a educação, estamos prontos para trabalhar com diferenças de idade e distâncias geográficas para, em conjunto, garantir que o direito fundamental à educação é plenamente realizado.

 

Authors:

Daniel Altman is the first representative of a youth-led organisation to be elected in the GCE Board.  Originally from Israel, Daniel is an Executive Committee member of the European Students Union. A former Chairperson of the “Shenkar Engineering Design Art” Students’ Union college in Tel-Aviv, Daniel holds B.Sc of Industrial Engineering and Management with specialisation in Innovation, Entrepreneurship and Creative leadership. He currently studies a Masters of Industrial Engineering and Management.

 

Frederikke Høgsgaard is the Danish representative from the Danish National Coalition for Education and member of the Danish National Commission and the executive committee of UNESCO. She is a masters student in International Development Studies and Global Studies and are representing Danish students of higher education internationally through the Danish National Union of Students (DSF). This include, beside above mentioned, the European Students Union (ESU) and in the global partnership with Zimbabwe National Students Union (ZINASU).



Deixe uma resposta