5 maneiras como a educação contribui para economias sustentáveis

Como podem a educação e a aprendizagem ao longo da vida ajudar a garantir que os padrões de produção e consumo sejam sustentáveis, forneçam capacidades para a criação de uma indústria verde, orientem o ensino superior e a investigação para a inovação verde e desempenhem um papel importante na transformação de sectores económicos chave como a agricultura, da qual dependem países e famílias ricos como pobres? Vamos desvendar    as ligações entre o ODS 4 e o ODS 7 (energia limpa), ODS 8 (empregos decentes), ODS 9 (indústria) e ODS 12 (consumo).

1. Permitir inovações científicas em energia mais limpa

Um dos principais objetivos da educação é preparar uma população para o futuro , o que inclui aumentar o conhecimento e desenvolver capacidades tecnológicas para o desenvolvimento sustentável. Éuma tarefa educativa extremamente urgente, que deve levar à produção de serviços de energia sustentáveis nos países em desenvolvimento, usando os seus próprios recursos.

Devido a uma escassez crítica de pessoal qualificado para desenvolver, projetar, financiar, construir, operar e manter projetos de energia renovável, os sistemas públicos de ensino superior têm que ser reforçados de modo a serem capazes de oferecer conhecimentos e serviços adequados para mudar para sistemas de energia de baixo carbono.

A educação em energia limpa capacitará os alunos a entender como as escolhas feitas em casa, na escola e nas comunidades afetam o meio ambiente. Abordar a questão da energia limpa na sala de aula pode também apresentar aos alunos inovações interessantes no campo da energia, em mudança. Talvez, e ainda mais importante, o estudo de energia limpa permita que os alunos apliquem ideias criativas para resolver desafios ambientais.

Também énecessário melhorar os processos não formais de educação com o objetivo de sensibilizar o público em geral sobre as energias renováveis e as responsabilidades dos cidadãos na sua implementação.

2. Apoiar o crescimento económico e o trabalho decente

Os sistemas educativos baseados em direitos humanos cultivam os valores de que o crescimento económico não deve ser considerado uma aspiração em si, pois nem sempre beneficia populações pobres e a distribuição de riqueza é muitas vezes desigual. O crescimento deve acompanhar a qualidade de vida e a igualdade de acesso a oportunidades.

Embora a educação seja valiosa em si mesmo, e não apenas para encontrar um bom emprego e contribuir para o crescimento económico, há necessidade de reforçar os laços entre educação, trabalho e emprego. Apesar dos progressos realizados para diminuir as taxas de desemprego em todo o mundo, as oportunidades de emprego ainda não estão abertas a todos. Em várias regiões do mundo, as oportunidades de encontrar emprego estão mais relacionadas com o género, a etapa da vida, a situação social, cultural e étnica. O ensino pós-secundário e superior pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento das capacidades necessárias entre indivíduos e economias para um trabalho decente e produtivo. Os jovens com ensino pós-secundário que vivem em países de rendimento médio e baixo têm uma muito maior oportunidade de encontrar um emprego decente do que aqueles que apenas têm o ensino médio ou primário (OIT, 2014).

Além disso, as economias estão a sofrer rápidas mudanças e perturbações devido aos avanços tecnológicos. Isto exigecada vez mais sistemas robustos de ensino com ensino e formação nos domínios técnico e profissional (TVET), ensino superior e aprendizagem ao longo da vida para requalificar e aperfeiçoar os indivíduos. Deve ser adotada umaabordagem de todo um sector para considerar os caminhos para a mobilidade entre a educação básica, a TVET e a educação superior. O ensino superior, através da produção de investigação e envolvimento com empresas e governo, desempenha também um papel crítico na criação de trabalho decente, promovendo a inovação e estratégias para o crescimento económico sustentável.

3. Acelerando a inovação sustentável

A Educação e a investigação são vitais para o avanço da indústria, inovação e infraestrutura. A investigação pública financiada e de alta qualidade pode promover novas ideias para desenvolver processos industriais, infraestrutura e sistemas de transporte, tornando os negócios mais competitivos e sustentáveis. A descoberta de materiais amigos do ambiente, técnicas de produção e meios de transporte, por exemplo, iria reduzir os impactos sobre o clima.  

Em termos de inovação, o financiamento de investigação, especialmente em universidades públicas, poderia apoiar os Estados no desenvolvimento de sectores-chave das suas economias, melhorar a produtividade e aumentar a sua participação nos mercados regionais e globais. Os investimentos para melhorar as técnicas de produção também resultariam numa melhoria das condições de trabalho,especialmente para trabalhos que possam comprometer a saúde e a integridade física dos trabalhadores.

Ao ativar esse ciclo positivo de produção, comercialização e comércio amigos do ambiente, os governos devem investir na educação pública e, em particular, no desenvolvimento de uma agenda de investigação pública alinhada com as necessidades das economias locais, incluindo pequenas e médias empresas em áreas rurais e urbanas. Tal é especialmente urgente nos países de rendimento baixo e médio que não têm suficiente investimento em investigação e desenvolvimento, necessários para tornar as suas economias mais justas e mais fortes .

4. Promoção de estilos de vida sustentáveis 

A ampla gama de metas propostas no ODS 4.7 deixa claro o objetivo não redutivo adotado pela agenda de desenvolvimento sustentável na educação. Estilos de vida sustentáveis são um propósito relacionado com a aquisição de valores, capacidades e comportamentos que permitem o uso de bens de consumo em completa harmonia com a sustentabilidade dos ecossistemas e com culturas de paz e direitos humanos. A educação ambiental incentiva estilos de vida sustentáveis, redução de resíduos, melhor uso de energia, maior uso dos transportes públicos, apoio a políticas em favor do meio ambiente e ativismo ambiental. Algumas escolas adotaram uma abordagem ‘toda a escola’ para a educação ambiental. A pesquisa mostra melhorias no ethosdas escolas e na saúde e aprendizagem dos alunos, e reduções nas pegadas ecológicas das escolas.

A educação deve questionar as abordagens utilitaristas que estimulam o consumo irracional e deve antes promover mudanças de comportamento que incluam a adoção de práticas sociais que contribuam para uma sociedade e um crescimento económico de baixo carbono, eficiente na utilização dos recursos, sustentável e sem degradação ambiental.

5.  Contribuindo para a segurança alimentar

A educação é vital para a produção sustentável de alimentos e para a segurança alimentar. A educação ensina aos futuros agricultores competências básicas, bem como conhecimento crítico sobre os desafios da sustentabilidade na agricultura. As políticas de formação profissional e de ensino de competências preenchem a lacuna entre agricultores e as novas tecnologias. Os programas de alfabetização e de extensão agrícola podem ajudar os agricultores a aumentar a produtividade, enquanto a investigação agrícola ligada ao ensino superior ajuda a produzir inovação que leva ao aumento da sustentabilidade.

Autores: Luis Eduardo Perez Murcia, Vernor Munoz

Recursos citados: EASG position papers



Deixe uma resposta